Família Wendel: um caso de reinvenção que resultou em uma Família Investidora de sucesso

Família Wendel: um caso de reinvenção que resultou em uma Família Investidora de sucesso

Antes de ser o importante grupo de investimentos que é hoje, o Wendel Group precisou se reinventar para superar grandes adversidades. Neste processo é admirável a capacidade que tiveram de preservar a cultura e valores familiares e ao mesmo tempo mudar sua mentalidade e visão em relação aos negócios e sua estrutura organizacional. À época, precisou-se do apoio dos quase 400 familiares.

Atualmente, o grupo possui um valor líquido de investimentos (“Net Asset Value”) de quase 7 bilhões de euros (agosto de 2016), estando os investimentos distribuídos em diversos setores e incluindo participações relevantes em conhecidas empresas globais como a Saint-Gobain e Bureau Veritas.

Histórico

O Wendel Group é controlado pela família Wendel, da França, e começou sua história em 1704 na região de Lorraine. Ao longo de quase 300 anos, a família foi controladora de diversos ativos de siderurgia e mineração. Começou no nascimento da revolução industrial, passando pelo grande desenvolvimento do século XIX na Europa, conseguindo superar a Revolução Francesa, duas grandes guerras e, finalmente, chegando em 1975 como controlador de cerca de 72% da produção de aço na França.

A capacidade de se reinventar

Em 1977 a família passou por um grande desafio: no âmbito da crise do petróleo que afetou as economias europeias e diversos setores da indústria, havia a ameaça (que se concretizou) do governo Francês nacionalizar os ativos siderúrgicos da família.

Neste contexto, alguns membros propuseram uma grande reestruturação dos negócios da família e não a liquidação, como chegou a ser discutido. Esta reestruturação envolvia a criação de uma holding separando todos os ativos siderúrgicos (ameaçados de nacionalização) dos outros ativos financeiros e participações.

Uma condição, porém, era que este processo fosse aprovado, unanimemente, pelos quase 400 acionistas (membros familiares), de modo a garantir o sucesso e legitimidade de longo prazo da nova holding. Após discussões, a reestruturação foi aprovada de forma unânime.

Foi fundada então a Compagnie Générale d’Industrie et de Participations (CGIP), uma holding de investimentos controlada pela Família Wendel com a filosofia de ser um “acionista empreendedor” nas empresas investidas. Estas  passaram a abranger setores distintos como tecnologia e serviços. Este movimento resultou no Wendel Group como os conhecemos hoje e na transformação da família, que assumiu de vez o papel de família investidora.

A passagem bem-sucedida de família empresária para família investidora, e a maneira como foi feita – com transparência e aprovação unânime – foi muito relevante pois permitiu que uma família de longa tradição industrial (com uma história que se funde com a história do desenvolvimento industrial europeu) se tornasse uma família investidora com negócios diversificados mantendo sua essência, valores, objetivos e união.

Governança Patrimonial

Atualmente os mais de mil membros da família Wendel estão representados na Wendel Participations, que possui parte do capital do Wendel Group. O Wendel Group, por sua vez, está listado em bolsa e possui forte transparência e estrutura de governança bem desenvolvida.

A família possui dois membros no Conselho de Supervisão (“Supervisory Board”) incluindo o Chairman, cujo papel é: supervisionar as atividades do Comitê Executivo e aprovar, entre outros aspectos, qualquer transação pelo grupo acima de 100 milhões de euros, além de decisões que envolvam mudanças de estratégia ou possam afetar a imagem do grupo. Respondendo ao Comitê de Supervisão existem ainda os Comitês de Auditoria e o Comitê de Governança.

Anualmente, é feita uma reunião com os membros da família onde são apresentados os números e perspectivas do grupo, reunião esta que é seguida de uma confraternização. Portanto, não existem membros familiares no dia-a-dia operacional das empresas investidas: eles estão representados nos Conselhos de administração e Conselhos de Supervisão.

O reflexo da Governança Familiar na política de investimentos

Os valores da família estão representados claramente na maneira como o Wendel Group se coloca como um investidor de longo prazo nas empresas. Eles incentivam a busca por culturas de excelência baseadas na confiança; culturas abertas que permitam adaptações às mudanças constantes no ambiente de negócios; e respeito às culturas e valores das empresas investidas – como parte do DNA de uma empresa familiar como o Wendel Group.

Como “acionistas empreendedores”, participam ativamente nas decisões estratégicas, de alocação de capital e na escolha dos principais executivos nas empresas investidas, sempre com foco na geração de valor no longo prazo. Dentre os investimentos bem-sucedidos, destaca-se o caso da Capgemini: o Wendel Group foi investidor durante 24 anos ajudando a empresa a se tornar uma das líderes globais no segmento de consultoria e serviços de TI.

Refletindo seus valores, nos anos 90 a família decidiu não fazer um investimento na Seita, uma fabricante de cigarros francesa que estava sendo privatizada. Além disso, o Wendel Group incentiva fortemente iniciativas de responsabilidade social em todas as empresas onde investe, ajudando na implantação e acompanhamento destas iniciativas.

Os valores da família também estão refletidos na posição do Wendel Group como um grande apoiador de projetos culturais e educativos dentro de um objetivo histórico de comprometimento com a comunidade (capital social). Dois exemplos recentes disto são: (1) a ajuda na estruturação do Centre Pompidou-Metz, em 2010, sendo o Wendel Group atualmente seu principal patrocinador; e (2) a fundação do Wendel International Center for Family Enterprise no INSEAD, uma das principais escolas de negócios do mundo, em 1996.

Neste exemplo vimos uma família tipicamente empresária que nos anos 70, buscando a manutenção do seu patrimônio, resolveu se reinventar passando a  gerir seus negócios e seu patrimônio com uma mentalidade de família investidora dando nítido desdobramento da história e valores familiares em diferentes iniciativas bem-sucedidas até os dias de hoje.

Sobre o Autor:

O autor deste artigo é Sócios e co-fundador da INEO, empresa que se dedica a tornar famílias protagonistas na gestão do seu patrimônio através do Single Family Office. A INEO busca difundir sua expertise publicando conteúdo e organizando eventos para capacitar membros familiares nos assuntos relacionados

Antonio Fernando Azevedo

Referências Bibliográficas:

  • Site do Grupo: http://www.wendelgroup.com/en
  • David S. Landes: Dynasties: Fortunes and Misfortunes of the World’s Great Family Businesses. New York, 2007.
Marcelo Ehlers
marcelo@ineo.fo
No Comments

Post A Comment