O que os Family Offices podem aprender com os Endowments

O que os Family Offices podem aprender com os Endowments

Uma das grandes dificuldades dos Family Offices é ter benchmarks e referências claras para balizamento de suas regras, estruturas e processos de investimento. Na busca por tais referências, um grupo de instituições chama a atenção pelo pouco conhecimento por parte dos Family Offices: os endowments de universidades.

Endowments são, por definição, ativos doados para instituições, pessoas ou grupos para servirem como fonte de renda. Os endowments de universidades são os recursos doados por pessoas, em geral ex-alunos, cujos principais propósitos são: (1) gerar renda no longo prazo para as universidades com o intuito básico de garantir autonomia institucional e (2) prover uma fonte independente de recursos.

Isto faz com que o orçamento destas instituições não dependa das fontes tradicionais de renda como anuidades de alunos – que são insuficientes –  e recursos governamentais – que estão diminuindo. Sendo assim, os endowments tem se tornado cada vez mais importantes como fonte de financiamento das atividades das universidades americanas.

De acordo com dados da NACUBO de 2015, existem quase 1.000 endowments de universidades nos EUA e Canadá, com recursos totais que ultrapassam US$ 500 bilhões. Os principais endowments já representam, em média, mais de 30% do orçamento anual das universidades. O Yale Endowment, por exemplo, distribuiu US$ 1.08 bilhão em 2015 para a Yale University, o que, ao câmbio atual, representa quase 75% do orçamento total da USP em 2015, numa universidade com cerca de 1/5 dos alunos. Isso demonstra a crescente importância destas instituições como base orçamentária e fator de diferenciação e excelência no cenário global.

Maiores Endowments dos Estados Unidos:

maiores-endowements

Fonte: NACUBO, valores em bilhões de dólares.

Endowments e Family Offices são instituições com horizontes de tempo de vida muito longos, enfrentando normalmente os mesmos desafios: preservar o poder de compra dos ativos (“longo prazo”) e prover fontes de recursos correntes para um ou mais objetivos (“curto prazo”).

Um Family Office cujo principal objetivo seja perpetuar o patrimônio familiar através das gerações e prover um padrão de vida para os seus beneficiários, se depara com desafios muito semelhantes aos de um endowment:

paralelo

Muitos Family Offices têm ainda outros objetivos, de modo que a complexidade e dificuldade de atingir os objetivos pode ser maior.

Em termos de governança e gestão, enquanto uma família, por meio da governança familiar, define, entre outros aspectos, os objetivos, mandato e regras gerais que o Family Office irá trabalhar para atingir, a universidade, com sua governança corporativa, cumpre um papel semelhante ao da família, definindo os objetivos, metas e regras que os endowments irão buscar. Sendo assim, tanto os Family Offices como os Endowments são estruturas que executam estratégias previamente definidas desdobrando-as com práticas de governança patrimonial.

paralelo2

Dentre os aspectos interessantes já bem desenvolvidos nos endowments que os Family Offices podem usar como referência, destacam-se:

1) as regras e níveis de distribuições anuais: os endowments tem refinado suas regras nas últimas décadas de modo a buscar distribuições mais estáveis ao longo do tempo sem comprometer o capital principal. Nos casos mais interessantes, são levadas em consideração distribuições médias de 10 anos, patrimônio mais recente e ainda perspectivas futuras dos investimentos. O nível de distribuição anual nos grandes endowments tem ficado, em média, próximo a 5% dos ativos nos últimos anos.

2) os modelos de alocação e gestão: os endowments se preocupam bastante com um bom desenho em termos de classes de ativos buscando diversificação, liquidez e balanço de riscos consistente com os objetivos e horizonte de investimentos de longo prazo. Além disso, é feita uma cuidadosa e rigorosa seleção de gestores externos com quem desenvolvem normalmente relacionamentos de longo prazo, se apoiando muito pouco no trading e movimentações de carteira mais constantes.

3) os processos e a governança: é interessante notar a importância dos Comitês de Investimentos, normalmente com a missão de supervisionar o processo de investimentos e prover suporte ao time interno de alocação e gestão, a quem cabe a gestão e apresentação das oportunidades de investimentos. Estes comitês contam usualmente com membros externos independentes e um ou mais representantes da universidade.

Regras e processos de investimentos bem definidos, uma estrutura de governança robusta e adequada e um time de gestão motivado se refletem nos retornos de longo prazo: o Yale Endowment, nos últimos 30 anos, teve um retorno anualizado de 13,9%, enquanto Harvard Management Company teve um retorno anualizado de 12,2% nos últimos 40 anos, ambos muito acima da inflação e dos benchmarks de referência.

Estes aspectos demonstram que os endowments de universidades americanas podem ser referências muito interessantes em diferentes aspectos e deveriam ser acompanhados pelos Family Offices mais de perto.

Sobre os Autores:

Os autores deste artigo são co-fundadores da INEO, empresa que se dedica a tornar famílias protagonistas na gestão do seu patrimônio através do Single Family Office. A INEO busca difundir sua expertise publicando conteúdo e organizando eventos para capacitar membros familiares nos assuntos relacionados

Antonio Fernando Azevedo
Marcelo Geyer Ehlers

Marcelo Ehlers
marcelo@ineo.fo
No Comments

Post A Comment